- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Bocas do fado

Oscar Martins Caro / Carlos Santos
Repertório de Rodrigo

Tenho a mania, sou um doente p'lo fado
Vou com ele a todo o lado / E se não vou, faço fita
Tenho a mania, ao ouvir uma guitarra
Canto o fado com tal garra / Que a malta delira e grita

Ah fadista... és a pantera do fado
Mostra lá como se canta
Todo rufia sempre a gingar
Ah fadista... grita o povo entusiasmado
Assim é que é ter garganta
Assim mesmo é que é cantar

É uma doença sem tratamento nem cura
Porque ninguém me segura / E já notam a minha falta
É uma doença que mata, mas faz viver
Cantar o fado e beber / Ouvindo as bocas da malta

Vivo p'ro fado, a minha ideia não muda
Este fadistice aguda / Está-me no sangue e não finda
Vivo p'ro fado... quero morrer a cantar
Ouvindo a malta gritar / Ah Tigre... ah boca linda