- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O soldado cego

Mote de Linhares Barbosa / Glosa de Avelino de Sousa
Desconheço se esta letra foi gravada.
Transcrevo-a na esperança de obter informaçâo credivel


Não me queres, não me admira
Perdi os olhos na guerra
Com eles tudo perdi
Mas disse-me alguém que os vira
No chão, cheiinhos de terra
‘Inda choravam por ti

Fui p’rá guerra e, a cada passo / Por ti sentia um carinho
Maior do que já sentira
Mas, um maldito estilhaço / Cegou-me, e ao veres-me ceguinho
Não me queres, não me admira

Sem carinho, amparo ou guia / Imerso em dor e abatido
Só mágoa o meu peito encerra
Não me queres e, todavia / Sem que te houvesse esquecido
Perdi os olhos na guerra

Fiquei cego duas vezes / ego de amor e, entre escolhos
Da vista com que te vi
E, carpindo os meus revezes / Senti que, ao perder os olhos
Com eles tudo perdi

Antes Deus me desse a morte / Que à dolorosa impressão
Dum amor que era mentira
Vê lá tu, que triste sorte / Não vi meus olhos no chão
Mas, disse-me alguém que os vira

Mas tu não tens piedade / uando eu solto os meus gemidos
Sobre as escarpas da serra
E recordo com saudade / Meus pobres olhos caídos
No chão, cheiinhos de terra

Não choram os olhos teus / Vivem alegres e absortos
Noutro amor – dizem p’r’aí
Mais leais foram os meus / Que, mesmo depois de mortos
‘Inda choravam por ti