- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Lisboa manda recado

Mário Martins / Nuno Nazareth Fernandes
Repertório de José da Câmara

Lisboa manda recado / Como que faz um apelo
O rio perdeu a fragata / Que lhe alisava o cabelo

Nunca mais a asa branca / Da vela que o vento enchia
Desenhou no Mar da Palha / Uma sombra fugidia

Lisboa está pensativa
Lisboa, não há maneira
Perdeu-se a varina esquiva
Dona do Cais da Ribeira;
E o rio não pode com ela
Fragata sem vela que hoje é batelão
Lisboa à beira do Tejo
Afoga num beijo o mar solidão

Não há gaivotas que cheguem / Desdobradas a acenar
Pra repor vida nos olhos / Duma cidade a teimar

A teimar que não tem força / Pra de novo se enfeitar
Com sardinhas-lantejoulas / Que o sol sabe apregoar