- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Das cinco às sete

Rosa Lobato de Faria / Mário Pacheco
Repertório de: Camané

Pelas cinco da tarde é que o sonho começa
A tua mão na minha
E a tua cabeça encostada ao meu ombro
Depois é o assombro
Do amor reencontrado a sós no nosso canto
O silêncio e o espanto
A paixão, o segredo, a recusa do medo

O meu falar alegre, o teu livro tão sério
A música tão leve
O instante tão breve, o motivo, o mistério

Pelas sete da tarde é que o sonho termina
Afrontamos a rua, a tua mão na minha
Um trejeito na alma
Um tremido na boca
Até que a multidão me leva e me sufoca
E nos desprende e solta

Os meus dedos dos teus
Há um barco que grita, um comboio que chora
Num mar de gente à deriva, e eu, náufrago da hora
Ergo um braço no ar
P’ra te dizer adeus