- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Das cinco às sete

Rosa Lobato de Faria / Mário Pacheco
Repertório de: Camané

Pelas cinco da tarde é que o sonho começa
A tua mão na minha
E a tua cabeça encostada ao meu ombro
Depois é o assombro
Do amor reencontrado a sós no nosso canto
O silêncio e o espanto
A paixão, o segredo, a recusa do medo

O meu falar alegre, o teu livro tão sério
A música tão leve
O instante tão breve, o motivo, o mistério

Pelas sete da tarde é que o sonho termina
Afrontamos a rua, a tua mão na minha
Um trejeito na alma
Um tremido na boca
Até que a multidão me leva e me sufoca
E nos desprende e solta

Os meus dedos dos teus
Há um barco que grita, um comboio que chora
Num mar de gente à deriva, e eu, náufrago da hora
Ergo um braço no ar
P’ra te dizer adeus