- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.555 LETRAS PUBLICADAS <> 2.630.000 VISITAS < > NOVEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Esquiva

Mote de autor desconhecido / Glosa de Avelino Sousa
Informação de Francisco Mendes e Daniel Gouveia
Livro *Poetas Populares do Fado-Canção*

Desconheço se esta letra foi gravada.
Transcrevo-a na esperança de obter informação credivel


Não pude furtar-te um beijo
Desses teus lábios, donzela
Porque tens, constantemente
Teus olhos de sentinela


Morena de olhos mortais / E lábios cor da papoila
És a mais linda moçoila / Que aparece p’los trigais
Quando, junto aos roseirais / Te exprimi o meu desejo
Subiu-te às faces o pejo / De purpurina candura
E por minha desventura
Não pude furtar-te um beijo

Ao ver as ondulações / Que fazem arfar teu seio
Eu senti o doce enleio / De ternas palpitações
E tive mil tentações / De enlaçar-te, minha bela
Mas, ágil, como a gazela / Fugiste do meu amor
Sem que eu sorvesse o licor
Desses teus lábios, donzela

Meu anjo: não pode ser/ Fazer’s-te assim tão esquiva
Pr’a que hás-de ser tão altiva / Se, por fim, vens a ceder
Eu não posso conceber / Que me julgues exigente
Pois se era um furto, inocente / E, juro, que, p’ra bom fim
Teus olhos fitos em mim
Porque tens, constantemente

Não tenhas tal azedume / Nem tamanha vigilância
Deixa aspirar a fragrância / De teus lábios o perfume
O veneno do ciúme / Em meu peito se revela
Beijar-te, minh’alma anela / Mas não gozo tais delícias
Pois me lembram dois polícias
Teus olhos de sentinela