- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Enfim, doutor

José Galhardo / Raúl Portela e Raúl Ferrão
Repertório de João Braga 

Senhoras… sois encantadoras
Tanta simpatia quero agradecer
Senhores… se tiverem dores
Ou uma pneumonia, trato-os com prazer

Lisboa já tem 
Agora em mim, um doutor
Além de sábio também, um inventor
Cá estou para os ver
Para injectar, para abrir
Pra retalhar e coser sempre a sorrir

A minha consagração, o meu valor e prosápia
Estão nesta invenção; a Alegroterápia
Curar a valer, difícil é conseguir
E então, morrer por morrer, que seja a rir

Doentes… cegos e aleijados
Vêm às cabazadas pra me consultar
Contentes… vão daqui curados
Rindo às gargalhadas, logo a ver e a andar