- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Enfim, doutor

José Galhardo / Raúl Portela e Raúl Ferrão
Repertório de João Braga 

Senhoras… sois encantadoras
Tanta simpatia quero agradecer
Senhores… se tiverem dores
Ou uma pneumonia, trato-os com prazer

Lisboa já tem 
Agora em mim, um doutor
Além de sábio também, um inventor
Cá estou para os ver
Para injectar, para abrir
Pra retalhar e coser sempre a sorrir

A minha consagração, o meu valor e prosápia
Estão nesta invenção; a Alegroterápia
Curar a valer, difícil é conseguir
E então, morrer por morrer, que seja a rir

Doentes… cegos e aleijados
Vêm às cabazadas pra me consultar
Contentes… vão daqui curados
Rindo às gargalhadas, logo a ver e a andar