- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado do cavaleiro tauromáquico

Lourenço Rodrigues / Jaime Mendes
Repertório de Hermínia Silva

Era um cavalo de raça, que na praça
Olha um toiro com nobreza
É da plebe e fidalguia, a alegria
Cá da gente portuguesa

Também a mulher que amamos e juramos
Conquistar a mal ou bem
Quanto mais difícil for nas seduções do amor
Para nós, mais valor tem

Eu de cavalos e mulheres, gosto como ninguém
São dois prazeres p'ra mim dos mais difíceis de igualar
É que um cavalo, pode um homem dominá-lo bem
Mas a mulher ninguém consegue dominar

A trotar que é um regalo, o cavalo
Galga prados e colinas
E lá ao longe as montanhas, são tamanhas
Mas parecem pequeninas

Também a mulher parece, que engrandece
À sombra duma afeição
Quando o amor é profundo, possuí-la é ter o mundo
Fechado dentro da mão