- - - - - - - - - -

- - - - - - - - - -
- - - - - - - - - -

° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.170 LETRAS PUBLICADAS // 1.970.000 VISITAS // OUTUBRO 2020

Atingido este valor // Que me faz sentir honrado // Continuo, com amor // A ser servidor do fado.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que nao constam do índice.

Caso encontre alguma avise-me, por favor.

Se não encontra o Fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

Lusitana

Letra e musica de Fausto Bordalo Dias
Repertório de Mafalda Arnauth

Doce e salgada, ó minha amada... ó minha ideia
Faz-me grego e romano
Tu gingas á africano... como a sereia
Ó bailarina, ó columbina
És a nossa predilecta de prosadores e poetas... dos visionários
Quem te vê ama de vez
Nómadas e sedentários
Ó pátria lusa, ó minha musa... o teu génio é português

Doce e salgada, ó minha amada... das epopeias
Tu és toda em latim, e a mais mulata sim... das europeias
Ó bailarina, ó columbina
Do profano matrimónio, nas andanças do demónio
Bela e roliça, dança a chula requebrada, a minha canção é mestiça
Ó pátria lusa, ó minha musa... o teu génio é português

Teu génio meigo e profundo, é deste tamanho do mundo
Sentimental como eu, dois corações pagãos
São de Apolo e Orfeu
Guarda-nos bem fraternais
No teu chão, no teu colo de sonhos universais
És o nosso almirante, terna mãe de crioulos
Cuida da nossa alma errante, nós só queremos teu consolo

Doce e salgada, ó minha amada... da companhia
És um caso bicudo, tu és o mais que tudo da confraria
Ó bailarina, ó columbina
Tu és a nossa doidice, meiga amante de meiguices
Eu te proclamo. quem te vê ama de vez
E a verdade é que eu te amo
Ó pátria lusa, ó minha musa... o teu génio é português