- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Caixeirinha do Grandella

Carlos Baleia / Nuno Nazareth Fernandes *fado caixeirinha*
Repertório de António Pinto Basto


Certa manhã no Grandella / Vi a bela caixeirinha
E preso nos olhos dela / Quase esqueci ao que vinha
Pois beleza como aquela / Dava-lhe um ar de raínha
E a simples entretela / Que era coisa pobrezinha
Só por roçar nas mãos dela 
Era da seda, vizinha

Ai, a bela caixeirinha / Que morava na viela
Onde voltava à tardinha / Comigo sempre atrás dela
E na porta da tasquinha / Plantei-me de sentinela
Guardando a rua estreitinha / Que parecia larga e bela
Pois a beleza que tinha
Sendo enorme, era singela

E, sempre olhando p’ra ela / Vi que o seu ar de raínha
Era a imagem mais bela / Da Lisboa ribeirinha
Meus olhos não tirei dela / Jurei que seria minha
Não há poder de um Grandella / Ou duma baixa inteirinha
Que impeça a caixeira bela 
De me dar o que eu não tinha

Com a paixão alfacinha / Inspirada p’la donzela
Decerto que se adivinha / Que aquela caixeira bela
Que da baixa era raínha / Deixou de ser do Grandella
E que a casa tão velhinha / Que antes era apenas dela
É agora também minha 
E o sol inunda a viela