As 5.205 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
<> POR FAVOR, alerte-me para qualquer erro que encontre <>
<> Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* Por motivos alheios à minha vontade, o motor de busca nem sempre responde satisfatóriamente *

* A seleção alfabética é da responsabilidade da blogspot !!!
* Caso necessite de ajuda envie a sua mensagem para: fadopoesia@gmail.com *
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Suas cantigas

Jorge Rosa / António Redes Cruz
Intérprete: Maria Amélia Proença

Este tema suscita-me duvidas em relação ao titulo porque existe uma gravação com o titulo *Era o que faltava* para além de me terem anunciado o tema com o titulo *Duas cantigas*
Agradeço a quem me possa enviar informação detalhada

Suas cantigas, improvisadas cantigas
Bastavam p’rás nossas brigas deixarem de ter razão
Suas cantigas, amorosas, ternurentas
Para afastar as cinzentas nuvens do meu coração

Suas cantigas, mote de todos os dias
Chorrilho de fantasias em que sempre acreditei
Até ao dia que puz cobro à cantoria
Que disse alto à melodia e fui eu que lhas cantei

Desde essa hora
O seu pio foi-se embora
E não perde p’la demora
Se volta às modas antigas
Porque eu agora
Sei onde a verdade mora
E não vou lá, como outrora
Assim com duas cantigas

Suas cantigas feitas de frases bonitas
Para adoçar as desditas dalgum maldito ciúme
Suas cantigas, buriladas, atrevidas
Mas sempre com as devidas fantasias do costume

Suas cantigas p’ra me levarem à certa
Com muita maldade esperta de que nunca duvidei
Até ao dia que pus cobro à cantoria
Que disse alto à melodia e fui eu que lhas cantei