- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As andorinhas

Manuel Peixoto / Amadeu Ramim *fado zeca*
Repertório de Francisco Moreira *Kiko*

Um casal de andorinhas que vivia
No meu beiral, andava construindo
Um ninho singular que parecia
Um castelo de sonhos muito lindo

Era mui cuidadoso esse casal
Na construção do ninho humilde e belo
Queria ficar p’ra sempre no beiral
Por isso edificou um bom castelo

Mas chegou o inverno inclemente
E as outras andorinhas debandaram
Em busca dum país, enfim, mais quente
E apenas essas duas lá ficaram

Mas num dia de terrível vendaval
O vento, numa fúria assaz, tremenda
Derrubou o castelo original
Deixando as andorinhas sem vivenda

Como essas andorinhas, muita gente
Constrói grandes castelos, mas no ar
Castelo de ilusões que certamente
O tempo tem prazer em derrubar