- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Vindimas *desgarrada*

Neca Rafael / Rapsódia de músicas
Repertório de Neca Rafael

Ele: *fado mouraria* popular
Ia p'ra colher um cacho / De uvas, da tua latada
Mas o cacho estava em baixo / E tu estavas sobre a escada

Ela: *fado mouraria* popular
É das tuas pieguices / Que eu ás vezes faço troça
Visses tu lá o que visses / E fazias vista grossa

Ele: *fado tango* Joaquim Campos
Porque é que não quis não / Entrar na tua vindima
Punha, por educação
Os meus olhinhos no chão / A olharem para cima

Ela: *fado tango* Joaquim Campos
Foi pena lá não teres ido / Vinha-me logo, á memória
De te chamar encolhido /

O homem quer-se atrevido / De morcões, não reza a história

Ele: *Fado alberto* Miguel Ramos
Morção era o teu pai que aos trambolhões
Arranjou tua mãe a olho nú
E desses dois encrencas, dois morcões
Nasceu uma morcona como tu

E tu não voltes mais, nem por piada
A chamar-me encolhido e morcão
Que se te agarro um dia sobre a escada
Prego comigo a ver televisão

Ela: *fado mouraria* Popular
Não me julgues atrevida / Por te dizer e afirmar
Que sou beco sem saída / Onde não podes entrar

Ele: *fado mouraria* Popular
Tens razão, não te desminto / Tu és coisa que eu vi já
Toda tu és labirinto / Que se eu entro fico lá

Ela: *fado mouraria* Popular
Eu queria-te p'la tua arte / P´las tuas habilidades
Se fosses meu, eu ia dar-te / Ao museu de antiguidades

Ele: *fado mouraria* Popular
Eu de ti não quero nada / Nem sequer um simples cacho
Mas se te agarro na escada / Hei-de te deitar abaixo