- - - - - - - - - -

- - - - - - - - - -
- - - - - - - - - -

° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.170 LETRAS PUBLICADAS // 1.970.000 VISITAS // OUTUBRO 2020

Atingido este valor // Que me faz sentir honrado // Continuo, com amor // A ser servidor do fado.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que nao constam do índice.

Caso encontre alguma avise-me, por favor.

Se não encontra o Fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

Fado de amor e pecado

João Monge / João Gil
Repertório de Ana Sofia Varela

Parti andorinhas parti, longe do meu telhado
Os barcos que jazem aqui foram de outro lugar
Quem sabe amor, onde vai

Quem sabe a dôr que nos cai
O vento passa por nós e o resto é o mar

Matei a rosa vermelha que usava ao decote
Tingi os lençóis com a raiva de amor e pecado
Olhai as mãos, meu amor

Olhai meus olhos, senhor
Cantai guitarras cantai a tristeza do fado

Adeus amor que matei
O mar que há-de encontrar o nosso coração
Adeus amor que jurei
Minha rosa de fogo e de paixão

Fui carne de amor e ciúme, fui vinho e loucura
Um cravo em botão, meu amor, preso á tua lapela
Chorei, amor, este fim

Sequei por dentro de mim
Deixei uma rosa vermelha á tua janela

Tracei o meu xaile no rosto, é de luto este fado
Lavei o teu sangue na chuva que leva á saudade
Olhai as mãos, meu amor

Olhai meus olhos, senhor
Cantai guitarras, cantai a minha liberdade