- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.690 LETRAS PUBLICADAS <> 2.655.000 VISITAS < > 01 JANEIRO 2023
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Quis brincar com o destino

Fernando Farinha / Alberto Correia
Repertório de Rodrigo
Criação de Fernando Farinha com o título original *Brincadeiras do destino*
  


Na mocidade pensamos que o caminho
Que havemos de percorrer p'la vida fora
É todo amor e carinho
E que a vida é sempre aurora

Mas depois vemos que a vida, não é mais
Que uma estrada acidentada
Onde aparecem caminhos transversais
A cortar nossa jornada

Já fui criança feliz e caprichosa
Fiz do destino um brinquedo sem valor
Era a vida cor-de-rosa
E o tempo comeu-lhe a cor


O tempo mudas as pessoas, fácilmente
Faz de nós tudo o que quer
E depois de nos trair, ri-se da gente
Por não sabermos viver


Quis brincar com o destino / Convencido que era forte
E ele pregou-me a partida / De ter que andar toda a vida
Ao desafio com a sorte;
Iludido, não sabia / Que a vida tem o seu perigo
E hoje triste, quem diria / Já não brinco com o destino
Ele é que brinca comigo