- - - - -

- - - - -
Clique na imagem e oiça Fado
- - -
Ninguém ignora tudo, ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa, todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre
PAULO FREIRE *filósofo* 19.09.1921 / 02.05.1997
- - - - -
As 5.650 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores.
- - - - -
Use o motor de busca *barra de links* para pesquisa rápida e fácil.

O pranto do poeta

José Fernandes Castro / Francisco Seabra
Repertório de Augusto Fernandes

Sempre que o poeta chora

Faz poesia com pranto;
Quando a dôr é redentora
Sempre que o poeta chora

O choro tem outro encanto

Sempre que o poeta chora / Faz poesia sentida
Faz lembrar a velha nora
A jorrar água com vida / Nesta vida enganadora

Sempre que o poeta chora / Chora por dentro dum verso
Para não se ver por fora
A dôr dum choro disperso / Numa alma sofredora

E quando o peta sente / A inspiração suprema
Tem mais brilho a sua mente
E muito naturalmente / Nasce o mais belo poema