- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Lá está ela

Mário Rainho / Paulo Jorge de Freitas
Repertório de Marina Mota

Lá está ela olhando rio / Lá está ela olhando o mar
A ver partir um navio / Com saudades de voltar

Lá está ela olhando rio / Lá está ela olhando o mar
Só não chora quem não viu / Os seus olhos a chorar

Lisboa chora sempre ao fim da tarde
Num soluço sem alarde
Ao fim dum dia cansado
Lisboa quando a anoitece, em saudade
Chora outro tempo, outra idade
Nos versos de qualquer fado

Lisboa, tem olhos cheios de mar
Quando os põe a navegar
No mar dum sonho profundo
Lisboa chora sempre que é preciso
Mas também tem o sorriso
Mais bonito deste mundo

Lá está ela olhando o rio / Como um barco sem ter rota
O mar é um desafio / Prós seus olhos de gaivota

Lá está ela olhando o rio / Lá está ela olhando o mar
Tanto sonho fugidio / Tem Lisboa num olhar