- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Boa resolução

Mário Humberto Ferreira Marques / Popular *fado corrido*
Repertório de António dos Santos

Tudo é pago a prestações
E já nada é pago a pronto
Com estas inovações
Eu já ando mais que tonto

Tiro cem para a mobília / E duzentos p'rá lambreta
Quatrocentos p'rá família / E depois fico sem cheta

No mês seguinte só tiro / Vinte escudos p'ró fogão
Vejo um programa, acho giro / E compro a televisão

No outro mês, já se vê / Mais uma prestação se mete
Para pagar à TV / Fico a dever a carpete

À vida que eu levo cá / Outra igual ainda não vi
Tiro aqui, ponho acolá / Tiro acolá, ponho aqui

De maneira que eu suspiro / Que acabe esta vida a esmo
E p'ra saber quanto tiro / Atiro um tiro a mim mesmo

E assim eu deixo de cantar / Maluco, chalado e tonto
E já me posso gabar / De pagar uma coisa a pronto