- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Boa resolução

Mário Humberto Ferreira Marques / Popular *fado corrido*
Repertório de António dos Santos

Tudo é pago a prestações
E já nada é pago a pronto
Com estas inovações
Eu já ando mais que tonto

Tiro cem para a mobília / E duzentos p'rá lambreta
Quatrocentos p'rá família / E depois fico sem cheta

No mês seguinte só tiro / Vinte escudos p'ró fogão
Vejo um programa, acho giro / E compro a televisão

No outro mês, já se vê / Mais uma prestação se mete
Para pagar à TV / Fico a dever a carpete

À vida que eu levo cá / Outra igual ainda não vi
Tiro aqui, ponho acolá / Tiro acolá, ponho aqui

De maneira que eu suspiro / Que acabe esta vida a esmo
E p'ra saber quanto tiro / Atiro um tiro a mim mesmo

E assim eu deixo de cantar / Maluco, chalado e tonto
E já me posso gabar / De pagar uma coisa a pronto