- - - - - - - - - -

- - - - - - - - - -
- - - - - - - - - -

° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.170 LETRAS PUBLICADAS // 1.970.000 VISITAS // OUTUBRO 2020

Atingido este valor // Que me faz sentir honrado // Continuo, com amor // A ser servidor do fado.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 90 letras publicadas que nao constam do índice.

Caso encontre alguma avise-me, por favor.

Se não encontra o Fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

Fadinho da comida

António Avelar Pinho / Nuno Rodrigues
Repertório de: Tonicha

Quem me dera o velho gosto do cozido
Como dantes se fazia
Quando a gente enchia o nosso próprio enchido
Ai que bem que me sabia, como dantes se fazia

Quem me dera ainda aquele pão caseiro
Que bom cheiro que ele tinha
Quando a gente então passava p'lo padeiro
de manhã, de manhãzinha

Ai que gosto que a comida tinha outrora
Ai que gosto nos dava então comê-la
Porque agora em vez de gosto tem um preço
Que por subir de hora a hora
Já nem dá vontade vê-la

Quem me dera que a batata ainda tivesse
Sendo nova o gosto antigo
E ao casar com o bacalhau então pudesse
A gente cá chamar-lhe um figo, ao gosto antigo

Quem me dera ter alfaces bem verdinhas
Mas são quasi clandestinas
Pois agora nestas hortas alfacinhas
só lá cheira a pesticidas.

Quem me dera que soubesse o carapau
Como dantes me sabia
E pensar que agora sei já não ser mau
Não saber a porcaria, como dantes não sabia

Quem me dera fosse puro o meu azeite
Como era antigamente
Quando a vaca já nem gosto põe no leite
Com franqueza, francamente