- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ FEVEREIRO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

BARRA DE PESQUISA

Recordar é viver

Carlos Conde / Julio Proença *fado proença*
Repertório de Miguel Silva

Passei hoje em Alcobaça
Onde o Jaime Coradinho
Vive o resto dos seus dias
E entre um copo e uma fumaça
O fadista já velhinho
Falou-me em fados e orgias

Recordou-me com saudade / O Diogo, a Tia Elisa
A Adega do Maldonado
A Vacaria do Frade / O Joaquim da Basalisa
Cachamorra e Zé Corado

Desbobinou tristemente / As tardes no Quebra Bilhas
Os fidalgos, os marialvas
As Ferras de Benavente / Os despiques em Cacilhas
E os almoços nas Pedralvas

Depois, enquanto enxugava / Uma lágrima a correr
Pelas rugas da desgraça
Uma sineta marcava / A hora do recolher
No Asilo de Alcobaça