- - - - -

- - - - -
Clique na imagem e oiça Fado
- - -
Ninguém ignora tudo, ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa, todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre
PAULO FREIRE *filósofo* 19.09.1921 / 02.05.1997
- - - - -
As 5.635 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores.
- - - - -
Use o motor de busca *barra de links* para pesquisa rápida e fácil.

Monólogo da saudade

Joana Cota / Carlos da Maia (6as)
Repertório de Joana Cota

Saudade palavra tão minha
Quando me sinto sozinha
Na solidão de quem sou
Saudade é uma avezinha
Negra como a andorinha
Que no meu peito pousou

A saudade ficou gravada
Na respetiva morada
De quem saudades deixou
Em seu lugar ficou a sombra
Que em anelos se arredonda
No amor de quem ficou

Palavra tão portuguesa
Que ao meu fado dá tristeza
E o desenlaça sem fim
Traz-me o leve respirar
Por em lágrimas falar
Da saudade que há em mim