- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.315 LETRAS <> 2.220.000 VISITAS <> JULHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Mulher-mágoa

Ary dos Santos / Nuno Nazareth Fernandes
Repertório de Maria Armanda 

Ando na rua da noite / Bebo vinho de saudade
Cada esquina é um açoite / Fustigando a claridade
Vou de noite pela noite / De uma vida sem idade
Não há corpo onde me acoite / Não há casas na cidade


Vou de noite pelo ventre / De ruas mal assombradas
Levo uma alma doente / Nas minhas mãos desfasadas

Vou de noite pela noite / De uma vida sem idade
No há corpo onde me acoite / Não há casa na cidade
No rio vejo um navio / Rumando rumo à infância
Tenho frio, tenho frio / Morro do mal da distância


Corro as ruas da vida / Sempre à procura de mim
Mas ela não tem piedade / E nunca mais chego ao fim

Ando na rua da vida / Bebo sumo de tristeza
Deitando contas à vida / Sinto apenas a pobreza
Ando na rua da vida / Bebo sumo de tristeza
Quem andar assim perdida / Não se encontra concerteza

Vou de noite pelo ventre / De ruas mal assombradas
Levo uma alma doente / Nas minhas mãos desfasadas

Na cama só vejo lama / Na rua só piso água
Quem me fala, quem me chama / O nome de mulher-mágoa
Corro as ruas da cidade / Sempre à procura de mim 
Mas ela não tem piedade / E nunca mais chego ao fim