- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

José Guimarães

Tributo do poeta Fernando Campos de Castro

Poeta que andaste pela rua
Que chamaste noiva à lua 
E irmão ao vento agreste
Neste dia em que te canto
Rimo alegria com pranto 
Nos poemas que me deste

Poeta amigo... amante das coisas belas
Que soubeste ler nas estrelas 
Mistérios que ninguém lê
Poeta amigo... que chamaste mãe à cidade
Só tu viste a claridade
Num mundo que ninguém vê

Poeta que viste longe e mais alto
Fazendo dum sobressalto
O teu mar de calmaria
Em cada noite perdida
Fizeste da própria vida
Uma loucura sadia

Poeta amigo... que fizeste da madrugada
A tua casa encantada
Onde não posso morar
Poeta amigo... que fecundaste a esperança
Nos teus olhos de criança
É que aprendi a sonhar
 
Dá-me os teus versos, t
eus mundos de fantasia
E toda a melancolia dos teus sentidos dispersos
Dá-me os teus versos, a tua vida secreta
Essa alma de poeta feita de mil universos