- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.350 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Águas passadas

Henrique Rego / Miguel Ramos *fado alberto*
Repertório de Alfredo Duarte Jnr.

Não me importam loucuras que fizeste
Num desatino torpe e desvairado
Esqueci os desgostos que me deste
Sepultei para sempre o teu passado

Não me importa que exista quem se gabe
De outrora ter fruído os teus carinhos
Se todo o mundo abertamente sabe
Que águas passadas não movem moinhos

Se alguém nos bate à porta, nós devemos
Só perguntar quem é e não quem foi
Porque o presente com os dons supremos
As manchas do pretérito destrói

O teu passado, visto de relance
Foi um romance de tragédia viva
Mas hoje a tua vida é um romance
De ternura que nos prende e nos cativa

Se um demente ou qualquer ser imperfeito
É respeitado esteja onde estiver
Assim deve também haver respeito
P’lo passado infeliz duma mulher