- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.555 LETRAS PUBLICADAS <> 2.630.000 VISITAS < > NOVEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Primeiro encontro

Tiago Torres da Silva / Silvestre Fonseca
Repertório de António Pinto Basto


Ando a morrer de desejo
Só tenho olhos p’ra ela
Sempre que a vejo
Peço-lhe um beijo, não me dá trela

Hoje senti-me bem-vindo
Ao fazer-lhe companhia
Pedi-lhe um beijo, sorrindo
Ela aceitou!... Quem diria?...
E vi que o seu olhar também sorria

Que grande ideia ter tirado a sexta-feira
Três dias só p’ra namorar
Vou apanhar-te mesmo ali na Brasileira
E logo vemos onde havemos de ir jantar;
Que grande ideia ter tirado a sexta-feira
Três dias só p’ra nós os dois
No fim da noite levo-te à Ribeira
O dia nasce, vamos p’ra casa depois


Ando a contar cada hora
Para chegar a noitinha
A alma implora
Por quem namora, se está sozinha

Jantamos às nove e meia
Faço mil planos secretos
É noite de lua cheia
Sei onde a podemos ver
Longe dos olhares indiscretos

Reservo a mesa? Ou reservas tu?
Comida indiana, vegana ou chinesa?
Sushi, marisco ou fondue?
Podem ser iscas à portuguesa?
Escolho eu? Ou escolhes tu?