- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arco de triunfo à liberdade

Bernardo Sá Nogueira / Armando Machado *fado súplica
Repertório de Bernardo Sá Nogueira

Às vezes de manhã, o sol nascente
Leva-me pelas ruas, sem destino
E a minha cidade, então silente
Abraça-me a alma de menino

E enquanto vai crescendo o seu calor
Sossegam, lá bem longe, as mansas corças
Ai de mim, porém, por teu amor
Eu vou perdendo a pouco as fracas forças

Já de manhã me enleias, me consomes
De tarde me arrebatas, já me elevas
De noite me abandonas, de mim somes
Mas deixas uma luz nas vagas trevas

Nada quero saber, pouco me importa
A tristeza profunda, a ansiedade
Se me move a certeza dessa porta
Desse arco de triunfo à liberdade