- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.395 LETRAS <> 2.460.000 VISITAS <> ABRIL 2022 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Sonho dourado

Fernando Teles / Popular *fado mouraria*
Repertório de Alfredo Marceneiro


Eu tenho um sonho doirado
Sonho que minha alma quer
Que é morrer cantando o fado
Nos braços de uma mulher


Que importa que digam mal / Do meu lirismo romântico
E que censurem o meu pecado / Amoroso sensual
Eu só desejo afinal / Uma boca rosicler
Ou então ouvir gemer / Uma guitarra em doce anel
É este um sonho tão belo
Sonho que a minha alma quer

As mais rudes penitências / Que a sorte me pode dar
É não poder alcançar / Do amor puras essências
Assim sofrendo inclemências / Ao ver-se repudiado
Meu coração magoado / Um só desejo inspira
É chorar ao som da lira
É morrer cantando o fado

Morrer dizendo os meus versos / É isto que peço a Deus
Envolvendo os olhos meus / Nuns olhos lindos, perversos
Beijos doirados, diversos / Meu ser lascivo requer
E quando a morte vier / Gelar enfim o meu sangue
Eu quero expirar exangue
Nos braços de uma mulher