- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Partiu de madrugada

Letra e música de Nuno Figueiredo
Repertório de Mafalda Arnauth

Partiu de madrugada
O melro e o galo a par cantavam já
Levava a roupa, era tão pouca
O resto deixou cá

Com um bilhete onde se lia:
Amor, o beijo que aqui deixo
É do tamanho da saudade / E da vontade de voltar

Passou uma semana 
Um mês, não tarda, faz um ano já
E até agora dele  / Nem notícia boa ou má

Só esta dor que esmaga o peito
Não há direito, que má sorte
Traição é, se não foi morte  / A impedi-lo de voltar

Ar, falta-me o ar
Nem de janela aberta ele quer entrar
Falta-me o ar 
Um dia mais e nem carteiro vi passar

Rasguei com toda a raiva
As cartas dele, como foi capaz?
Veria o príncipe num homem / De tal modo atroz?

Forcei-me a esquecer o seu nome
E no horóscopo passava à frente
Sempre que leão surgia numa previsão

Mas Deus, que certo escreve
Mesmo que por linhas tortas, viu
Ao que parece o meu lamento  / E eis que um dia o vi
A par do galo em alarido
Surgir meu homem
Que trazia um anel e a intenção de ser / P’ra sempre meu marido

Ar, falta-me o ar
Nem de janela aberta ele quer entrar
Ar, falta-me o ar
Tanta andorinha na janela a poisar