As 5.180 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
<> POR FAVOR, alerte-me para qualquer erro que encontre <>
<> Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* Por motivos alheios à minha vontade, o motor de busca nem sempre responde satisfatóriamente *

* A seleção alfabética é da responsabilidade da blogspot !!!
* Caso necessite de ajuda envie a sua mensagem para: fadopoesia@gmail.com *
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Povo

Pedro Homem de Melo / Joaquim Campos *fado vitória estilado*
Repertório de João Braga

Povo que lavas no rio / Que vais à feira e à tenda
Que talhas com teu machado / As tábuas do meu caixão
Pode haver quem te defenda / Quem turve o teu ar sadio
Quem venda o teu chão sagrado / Mas a tua vida não

Meu cravo branco na orelha
Minha camélia vermelha / Meu verde manjericão
Ó natureza vadia
Vejo uma fotografia / Mas a tua vida não

Fui ter à mesa redonda
Bebendo em malga que esconda / O beijo de mão em mão
Água pura, fruto agreste
Fora o vinho que me déste / Mas a tua vida não

Areais de praia e monte
Por onde foram os passos / Atrás dos quais os meus vão
Que é dos cantaros da fonte
Guardo o jeito desses braços / Mas a tua vida não

Subi às frias montanhas
Pelas veredas estranhas / Lá onde os meus olhos estão
Rasguei certo corpo ao meio
Vi certa curva em teu seio / Mas a tua vida não

Só tu, só tu és verdade
Quando o remorso me invade / E me leva à confissão
Povo, povo, eu te pertenço
Deste-me alturas de incenso / Mas a tua vida não

Povo que lavas no rio
Que talhas com teu machado / As tábuas do meu caixão
Pode haver quem te defenda
Quem venda o teu chão sagrado / Mas a tua vida não