- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Daqui houve nome, Portugal

Letra e musica de José Mário Branco
Repertório de Rodrigo 
Este tema foi também gravado com o título *Recado ao Porto*

Nas margens deste rio atormentado
É que está dependurado o nome do meu país
Mistura entre a fuga e a procura
Entre o medo e a loucura que estão na minha raiz

Meu Porto muito mais vivo que morto
Tu recusas o conforto de quem está morto de vez
Por isso eu te canto este fado
Porque vivo atormentado como o rio que te fez

Daqui houve nome, Portugal
Aqui está tudo bem, e tudo mal
Meu Porto és o carinho que me tenho
És a ponte donde venho
Entre o mar e o quintal;
Daqui, eu fui embora sem vontade
Aqui eu renasci prá liberdade
Meu Porto, deixa andar, nunca fiando
Que me dás de contrabando
A alegria e a saudade

Criança, ris e choras de seguida
Mesmo quando a tua vida é o assunto da anedota
Sentir, é o teu modo de existir
E és capaz de mentir só p’ra não fazer batota

Meu Porto, revoltado e penitente
Invicto p’ra tanta gente, só por ti és derrotado
Nas margens do rio que te desflora
Há um vulcão que demora e dorme sempre acordado