- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se queres ir embora vai

Neca Rafael / Jorge Barradas
Repertório de Neca Rafael


Tens dito de quando em quando / Vou-me embora, vou partir
Vai meu amor, vai andando / Vai-te pondo a bolir

Não julgues que te procure / Eu nem vou p’ra onde tu vais
E arranja quem te ature / Que eu já te aturei demais

Tudo o que é demais enjoa
Sempre a mesma coisa, cansa
É sempre a mesma lambança
Mas pôe-te a pau co’as canelas
Se queres ir embora vai
Que eu juro por minha fé
Que te largo um pontapé
Que tu até vês estrelas


Pareces um catavento / Lá com a tua mania
Ficas por esquecimento / Na cama, até ao meio-dia

Vê se mudas de feitio / E ouve um conselho meu
Vai lá morder o teu tio / Que já mordido estou eu

Tudo o que é demais enjoa
Sempre a mesma coisa, cansa
É sempre a mesma lambança
Sempre a mesma ladaínha
Se queres ir embora vai
Que eu juro por minha fé
Que te largo um pontapé
Que até ficas corcundinha