- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

ANTÓNIO ALEIXO

Tributo a ANTÓNIO ALEIXO
O maior poeta popular português
Vila Real de Santo António 18-02-1899
Loulé 16-11-1949


Peço às altas competências / Perdão, porque mal sei ler
P'ra algumas deficiências / Que meus versos possam ter
---
Há luta por mil doutrinas! / Se querem que o mundo ande;
Façam das mil pequeninas / Uma só doutrina grande
---
Da guerra, os grandes culpados / Que espalham a dor na terra
São os menos acusados / Como culpados da guerra
- - -
Se fazes tudo ás avessas / Para que prometes tanto?
Não me faças mais promessas / Bem sabes que não sou santo
---
Não escolho amigos á toa / Sempre temendo algum perigo
Primeiro, escolho a pessoa / Depois, escolho o amigo
---
Sei que pareço ladrão / Mas há muitos que eu conheço
Que sem parecer o que são / São aquilo que eu pareço
---
Não sou esperto nem bruto / Nem bem nem mal educado
Sou apenas o produto / Do meio em que fui criado
---
Contigo em contradição / Pode estar um bom amigo
Duvida daqueles que estão / Sempre de acordo contigo
---
A vida é uma ribeira / Caí nela, infelizmente
Hoje vou, queira ou não queira / Aos trambolhões na corrente
---
Ser artista é ser alguém / Que bonito é ser artista
Ver as coisas mais além / Do que alcança a própria vista
---
A ninguém faltava o pão / Se este dever se cumprisse
Ganharmos em relação / Com o que se produzisse
---
Vinho que vai p'ra vinagre / Não retrocede o caminho
Só por obra de milagre / Volta de novo a ser vinho
---
Ao chamar-te inteligente / Ficaste desconfiado
Por ser um nome diferente / Dos que te têm chamado
---
O mundo só pode ser / Melhor do que até aqui
Quando consigas fazer / Mais p'los outros, que por ti

---
Se pedir, peço cantando / Sou mais atendido assim
Porque se pedir chorando / Ninguém tem pena de mim
---
Entre leigos ou letrados / Fala só de vez em quando
Que nós, às vezes calados / Dizemos mais que falando
---
És um rapaz instruído / És um Doutor!... em resumo
És um limão que espremido / Não dá caroço nem sumo

---
Fui polícia, fui soldado / Estive fora da nação
Vendo jogo, guardo gado / Só me falta ser ladrão
---
São João, reparem nisto / Teve este grande condão
Ao batizar Jesus Cristo / Foi quem fez Cristo, cristão
---
Ontem rei, hoje sem trono / Cá ando outra vez na rua
Entreguei a roupa ao dono / E a miséria continua
---
Embora os meus olhos sejam / Os mais pequenos do mundo
O que importa é que eles vejam / O que os homens são no fundo
---
Que importa perder a vida / Na luta contra a traição

Se a razão mesmo vencida / Não deixa de ser razão
---
Vós que lá do vosso império / Prometeis um mundo novo

Calai-vos que pode o povo / Querer um mundo novo a sério
---
O pão que sobra à riqueza / Distribuido p'la razão
Matava a fome à pobreza / E ainda sobrava pão
---
Pára-raios nas igrejas / É p'ra mostrar aos ateus
Que alguns padres que eu conheço / Não têm confiança em Deus
---
Quando a verdade os aterra / Querem a moral pregar
Prometendo no céu dar / O que nos roubam na terra
---
Eu não tenho vistas largas / Nem grande sabedoria
Mas dão-me as horas amargas / Lições de filosofia
---
O homem sonha acordado / Sonhando, a vida percorre
E desse sonho doirado / Só acorda quando morre
---
Embora me queiras tanto / Quanto pode o bem-querer
Não me queres tanto quanto / Te quero sem te dizer
---
Não digas que me enganaste / Por ter confiado em ti
Muito mais do que levaste / Ganhei eu no que aprendei
---
Só quando sinceramente / Sentirmos a dor de alguém
Podemas descrever bem / A mágoa que essa alguém sente

Outras quadras se seguirão