- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Lisboa à meia noite

Artur Ribeiro / António Mestre
Repertório de Artur Ribeiro
Este tema também foi gravado com o título *Lisboa às zero horas*

Quando a meia noite passa
E a boa gente adormece
É que Lisboa tem graça
E pelas ruas se esquece
De brincar pelas esquinas
Com ar de menina boa
Deixa o pregão dos ardinas
E das varinas da Madragoa

Gente a passar, os cinemas a fechar
E um casal a chamar por um táxi já tomado
E mais além, teatros fecham também
E lá vai a gente de bem para os retiros do fado
Que linda és, Lisboa dos cabarets
Das boates, dos cafés, sem basbaques no Chiado
Anda no ar uma voz triste a cantar
Uma guitarra a trinar num beco mal afamado
  


Passa um guarda de uniforme
Que desperta de seguida
Um vagabundo que dorme
Pelos bancos da avenida
Numa outra esquina desponta
Um grupinho a protestar
Porque bebeu mais que a conta
E agora a conta não quer pagar