- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.555 LETRAS PUBLICADAS <> 2.630.000 VISITAS < > NOVEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Zé Maria

Alberto Barbosa, José Galhardo, Vasco Santana e Xavier Magalães
Música de Cruz e Sousa 
Criação de Irene Isidro na revista Loja do Povo, Teatro Avenida, 1935
Informação de Francisco Mendes e Daniel Gouveia
Livro *Poetas Populares do Fado-Canção* pág. 37
Desconheço se esta letra foi gravada.
Transcrevo-a na esperança de obter informação credivel


Contaram-me na escola a nossa história
As lutas, as viagens do passado
Não mais se me varreram da memória
Contaram-me, e eu fiquei maravilhado

Contaram-me as conquistas que fizeram
Os velhos portugueses no além-mar
Dizendo-me: essas terras que nos deram
São nossas, temos sempre que as guardar

Oh! minha terra
Não sou ninguém
Mas se houver Guerra
Quero ir também
Morrer por ti 
Lá nessa pátria leal
Que eu nunca vi
Mas que é também Portugal

Somos pequenos 
Mas temos fé;
Vamos p’lo menos 
Morrer de pé
O que é só teu
Por esse mundo além
Ninguém te rouba
Oh! minha pátria
Oh! minha mãe

Ai quantos capitães ganharam fama
Lutando p’ra aumentar este cantinho
Ai quantos homens fortes desde o Gama
E Afonso d’Albuquerque até Mouzinho

Se os bravos doutras eras que esqueceram
P’ra nós tais mundos foram conquistar
Se tantos p’ra os ganhar por lá morreram
Morramos nós, também, para os salvar