- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.695 LETRAS PUBLICADAS <> 2.679.000 VISITAS < > 01 FEVEREIRO 2023
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado da loucura

Júlio de Sousa (música e letra do refrão) / Frederico de Brito (restante poema)
Criação de Mariamélia, actriz-cantora, irmã de Júlio de Sousa, que foi autor da música 
e da letra do refrão, enquanto Frederico de Brito escreveu o resto do poema.
Mariamélia gravou-o por volta de 1928. A partir daí, tem sido cantado e gravado 
com diversas variantes e adaptações, no entanto, a letra original é a que se segue:
Informação de Francisco Mendes e Daniel Gouveia
Livro *Poetas Populares do Fado-Canção* 

É loucura que eu bem sei
O ter que andar à procura
De alguém que nunca encontrei
Sorte vil que eu lamento
Até o meu céu d’anil
Se tinge a cada momento

Chorai, chorai,
Guitarras da minha terra
Que o vosso pranto encerra
As mágoas do passado
E o mundo a rir
A rir às gargalhadas
Não tem dó das desgraçadas
Que morrem cantando o fado


Neste inferno, por meu mal
Sou qual barca sem governo
À mercê do temporal
Sofri tanto que eu nem sei
Se faria um mar de pranto
Tanto pranto que chorei