- - - - -

- - - - -
Clique na imagem e oiça Fado
- - -
Ninguém ignora tudo, ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa, todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre
PAULO FREIRE *filósofo* 19.09.1921 / 02.05.1997
- - - - -
As 5.515 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores.
- - - - -
Use o motor de busca *barra de links* para pesquisa rápida e fácil.

Foi na velha Mouraria

Fernando Teles / Alfredo Duarte *marcha do marceneiro*
Repertório de Alfredo Marceneiro


Foi na velha Mouraria
De ruas tristes, escuras
Bairro antigo de mistério
Que sorrindo de alegria
Ou chorando desventuras
Teve o fado o seu império

Quando passo à Mouraria
Em noite de chuva e vento / Que é quando a tristeza impera
Todo o meu sangue se esfria
Se penso no sofrimento / Do Custódio p'la Severa

É que esse pobre aleijado
Tendo no peito a fibra / Da raça sentimental
Era por ela mandado
Tinha de ir beijar a mão / Ao fidalgo, seu rival

Dos seus lábios sensuais
Um beijo voluptuoso / Nunca o Custódio acolheu
Por isso, ele sofreu mais
Do que o próprio Vimioso / Quando a Severa morreu