- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.315 LETRAS <> 2.220.000 VISITAS <> JULHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Vida triste

J.Saluerhoff / Pedro Rodrigues C/arranjos de Custódio Castelo
Rpertório de Cristina Branco

Condenado a viver triste
É sina de quem muito ama
Nunca meu coração resiste
Ao amor que a dor inflama

Mais uma vez, torturado coração
Buscou abrigo no teu peito, inutilmente
Não há quem lhe console a sede ardente
Nem se farte da paixão

E sempre, p’ra qualquer acto
Há que pagar com sofrimento
Até que a doçura do último tacto
Acabe por morrer num lamento

Por mais que os corpos se enlacem
Um dia só fica a solidão
Haverá porventura alguém
Que mate o fogo de uma paixão

Eu sei que amar é pecado
Por isso a mim o céu castigou
Fiquei p’ra vida amarrado
A quem sempre me enganou