As 5.205 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
<> POR FAVOR, alerte-me para qualquer erro que encontre <>
<> Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* Por motivos alheios à minha vontade, o motor de busca nem sempre responde satisfatóriamente *

* A seleção alfabética é da responsabilidade da blogspot !!!
* Caso necessite de ajuda envie a sua mensagem para: fadopoesia@gmail.com *
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Da morte não espero nada

Letra e musica de Amélia Muge
Repertório de Ana Laíns


Não sei se parta se fique / Da morte não espero nada
Vou mas é fazer-me á estrada
Andar c’oa vida ao despique / E sobretudo no Entrudo
Manter a cara lavada / A cantar á desgarrada
A cavalo numa espiga / Se assim quiser a cantiga

E bailar e fazer pose / No prato do arroz doce
P’ra alegrar a amadrugada
Vou mas é fazer-me á estrada / Da morte não espero nada

Não sei se entenderam bem / Não é uma brincadeira
A história, se é verdadeira / Dá sempre aquilo que tem
A fantasia escondida / De qualquer coisa perdida
Não sei se fico, se vou / Eu já nem sei onde estou

Com tanta hora de estrada / Eu já nem sei estar parada
E se oiço um assobio / Continuo, mas sorrio
Vou mas é fazer-me á estrada / Da morte não espero nada

Não sei quem veio acudir / Ouço contar uma história
Com voz de pai ou de mãe / Ao pé de mim está alguém
E nunca é a fingir / Quando estou quase a dormir
Chegado o tempo das magas / Com as luzes apagadas

Eu olho o mundo daqui / E que lindo que ele é
E ao vê-lo eu sinto até / Que já morria por ti
Vou mas é fazer-me á estrada / Da morte não espero nada