- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Dito por não dito

Linhares Barbosa / Carlos da Maia
Repertório de Argentina Santos

Minha boa e santa mãe
Eu nunca faço o que dizes
Perdão, mil vezes perdão
Os infelizes não têm
Culpa de ser infelizes
As coisas são o que são

Sempre que oiço os teus conselhos
Prometo, juro seguir / O teu santo breviário
Caio-te aos pés de joelhos
Beijo-te as mãos a sorrir / Mas faço sempre o contrário

É que quando ele aparece
O dono da minha vida / Beija-me e traz-me loucura
Beijando tudo me esquece
Depois fico arrependida / Em ter-te sido perjura

Mas agora, ó minha mãe
Vou ficar ao pé de ti / Como quando pequenina
Ai de mim, ele aí vem
Chama por mim e sorri / Vou seguir a minha sina