- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Canto das descobertas

Michel Legrand / Marilyn Bergman / Alan Bergman
Versão de Mário Martins
Repertório de José da Câmara


Hoje, os sorrisos da cidade trazem sol ao meu olhar
São as notas deste fado no meu tempo de o cantar
Há a história que se conta dum povo à beira do mar
E dum sonho muito antigo e de vozes para o cantar;
Vozes fortes de muralha, vozes molhadas de pranto
E vozes de praça forte p’ra defender nosso canto

Vozes que tinham na voz mistérios a desvendar
E do tributo que nós tão longe fomos pagar
Tantas vezes, tantas vezes a conceder-nos foral
Por fabuelas proezas das gentes de Portugal;
Vozes claras, transparentes como cristais de firmeza
Vozes gostosas do pão que come connosco à mesa

Vozes de tanta ternura e tamanha dimensão
Com a medida do mundo em dois palmos de canção
São as vozes de além Tejo, são as vozes de além dôr
No coral da Epopeia que dobrou o Bojador;
São vozes de coro grego vestido à moda do Minho
Vozes de nau viajeira que tem garganta de pinho
Tantas vezes, tantas vezes, de grandeza universal
Deste sonho desmedido dum país no plural