- - - - -

- - - - -
Clique na imagem e oiça Fado
- - -
Ninguém ignora tudo, ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa, todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre
PAULO FREIRE *filósofo* 19.09.1921 / 02.05.1997
- - - - -
As 5.500 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores.
- - - - -
Use o motor de busca *barra de links* para pesquisa rápida e fácil.

O cadete d’Antoninha

João de Vasconcellos e Sá / José Marques *fado triplicado*
Repertório de António Pinto Basto

Ali passa toda a vida
Percorrendo essa avenida
Faça vento ou faça frio
Um cadete que é teimoso
Que ali anda pressuroso
Num constante rodopio

Antoninha, sem demora
Na janela a toda a hora / Já não foge ao seu olhar
Olha, agora, lá está ela
Debruçada na janela / Para o ver por lá passar

O cadete apaixonado
Era, dantes, desprezado / Provocava o seu desdém
Longos dias, longos meses
Lá passava muitas vezes / Mas não via lá ninguém

Hora a hora, dia a dia
Tanta mágoa traduzia / Tanto o pobre entristeceu
Era tal o seu tormento
Sempre à chuva, sempre ao vento / Que Antoninha se rendeu

E hoje, enfim, qualquer pessoa
De Coimbra ou de Lisboa / Do Seixal ou da Barquinha
De Reguengos ou de Beja
Toda a gente em inveja / Do cadete d’Antoninha