Clicar na imagem !!!
* * * * *
As 5.310 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores !!!
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
POR FAVOR <> no sentido de melhorar este tributo ao fado, alerte-me para qualquer erro encontrado <> OBRIGADO
<> Ninguém sabe tudo, ninguém ignora tudo, só todos juntos sabemos alguma coisa <> PAULO FREIRE
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
* Por motivos alheios à minha vontade, o motor de busca nem sempre responde satisfatóriamente *
* A seleção alfabética é da responsabilidade da blogspot !!!
-------------------------------------------------------------------------
* Caso necessite de ajuda envie a sua mensagem para: fadopoesia@gmail.com *
* * * * *

Romper madrugadas

Paulo Valentim / Paulo Valentim e João Veiga
Repertório de Kátia Guerreiro

Recordo os segredos das noites de bruma
Recordo os teus dedos bebidos de espuma
Recordo o teu cheiro de amor perfumado
Tristeza em sorriso num corpo rasgado

Por isso te digo... adeus meu amor
Galopo nas estrelas, rompo as madrugadas
Serei milho-rei de mil desfolhadas
Nas camas desfeitas por mim inventadas
Adeus meu amor
Sou já o lamento mais puro e mais triste
O grito que á noite viveste e sentiste
O cheiro, a manhã, se a manhã existe

Recordo o encanto do pranto que é meu
E esse momento em que tudo se deu
Mas não tenho mais nada, amor, para dar
Ganhei liberdade, adeus, vou cantar
E por isso te digo...

Adeus meu amor
Galopo nas estrelas, rompo as madrugadas
Serei milho-rei de mil desfolhadas
Nas camas desfeitas por mim inventadas
Adeus meu amor
Sou já o lamento mais puro e mais triste
O grito que á noite viveste e sentiste
O cheiro, a manhã, se a manhã existe

Adeus meu amor
Nas ondas do mar serei madrugada
Nas rochas mais duras serei mutilada
Posso viver triste mas nunca negada