- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.552.800 VISITAS < > AGOSTO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Outono folha caída

Maria Teresa de Noronha / Joaquim Campos *fado tango*
Repertório de Silvia Filipe

Outono, folhas caídas
Com sangue Deus as pintou;
Folhas tão cedo nascidas
Pobres folhas mal vividas
Um vento louco as levou

Nasceram na primavera / Fê-las Deus da cor da esperança
Sonharam uma quimera
Serem como as folhas de era / De saudade e de lembrança

Mas chega o verão, o calor / E as folhas verdes tão belas
Vão perdendo o seu frescor
Pressentem a sua dôr / Ficam triste e amarelas

Ao inverno não chegaram / Foram curtas suas vidas
Da cor do sangue as pintaram
Ventos loucos as levaram / Outono, folhas caídas