- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Ando a matar saudades

Artur Ribeiro / Joaquim Campos *fado puxavante*
Repertório de Narciso Reis

Vocês devem perdoar-me
Umas certas liberdades
Eu bem sei que ando a matar-me
Mas ando a matar saudades

Quando a tristeza me oprime / Eu intento libertar-me
Se beber demais é crime / Vocês devem perdoar-me

Beber é nova promessa / Para loucas ansiedades
Não há dor que não mereça / Umas certas liberdades

Bebo muito p’ra esquecer / A tristeza a rodear-me
E na febre de viver / Eu bem sei que ando a matar-me

Perdoai que eu seja louco / E vos diga estas verdades
Bebo e morro a pouco a pouco / Mas ando a matar saudades