- - - - -

- - - - -
Clique na imagem e oiça Fado
- - -
Ninguém ignora tudo, ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa, todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre
PAULO FREIRE *filósofo* 19.09.1921 / 02.05.1997
- - - - -
As 5.590 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores.
- - - - -
Use o motor de busca *barra de links* para pesquisa rápida e fácil.

Fado em branco

João Gigante-Ferreira / Samuel Cabral e João Gigante-Ferreira
Repertório de Helena Sarmento

Voar sem culpa do mar que nunca se deita  
Sentir a chuva a cair, de vida insuspeita
Sofrer a dor de morrer na dor imperfeita
Sorrir, por dentro mentir, verdade perfeita

Assim é a vida de amor dividida
Cerrada no peito
Um barco à deriva, verdade fingida
Doença sem leito
Eu bem que não queria saber algum dia
Que sempre serei
O vento do norte, sem vida nem morte
Sem crime nem lei

Amar, de amor sufocar a boca na boca
Florir, ficar e partir de tanto ser pouca
Vender de graça o prazer, sentir como louca
Chorar sem culpa do mar, do beijo e da boca

Assim é a vida de amor dividida
Cerrada no peito
Um barco à deriva, mentira fingida
Doença sem leito
Eu bem que não queria saber algum dia
Que sempre serei
O vento do norte, sem vida nem morte
Sem crime nem lei
O verso da sorte, sem que isso me importe
Saber que cheguei