- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Quem canta seu mal espanta

António Calém / Alfredo Duarte *fado bailarico*
Repertório de Zé Caravela


Quem canta seu mal espanta
Mas há males dentro de nós
Que as cordas duma garganta
Não chegam para dar-lhes voz


Quem esconde uma saudade / Do olhar que a desencanta
É quem mais fala verdade / Quem canta seu mal espanta

E um sentimento profundo / Aumenta ao estarmos sós
Há outros bens neste mundo / Mas há males dentro de nós

Porque as palavras reais / Não bastam a quem as canta
E o silêncio vale mais / Que as cordas duma garganta

Por isso os bens que perdemos / Vivem só junto de nós
E as saudades que temos / Não chegam para dar-lhes voz