- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Desonra

Neca Rafael / Fado da Foz 
Repertório de Neca Rafael


Minha sogra, um camafeu
Veja bem p'ro que lhe deu
P'ra se espolinhar no chão
E começar a dizer:
Ai Jesus que eu vou morrer
Sabe-me a boca a sabão

A filha agarrada a ela / A tremer, muito amarela
E a gritar como louca
Dizia assim: diga mãe / O que é que você tem
Que tanto espuma p'la boca?

A mãe não liga nenhuma
E sempre a deitar espuma / Mas diz, às duas por três
Ai que eu estou envenenada
Porque andava apaixonada / Por um limpa-chaminés

Ai que aflita que eu estou
Mas o que é que tomou? / A filha lhe perguntava
Ai eu tomei um veneno
Que 'stá no quarto pequeno / Onde o teu homem se lava

Deixei-a quase a morrer
E vou ao quarto a correr / E vejo que aquela parva
Sem sequer de mim ter dó
Engoliu-me todo o pó / Que era de eu fazer a barba

Então, não liguei nenhuma
Deixei-a deitar espuma / Mas tirei a conclusão
Que uma velha com desonra
P'ra lavar a sua honra / Tinha de engolir sabão