- - - - - - - - - -

- - - - - - - - - -
- - - - - - - - - -

° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.170 LETRAS PUBLICADAS // 1.930.000 VISITAS // OUTUBRO 2020

Atingido este valor // Que me faz sentir honrado // Continuo, com amor // A ser servidor do fado.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que nao constam do índice.

Caso encontre alguma avise-me, por favor.

Se não encontra o Fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

Lisboa dos mexericos

João Nobre / Rogério Bracinha / César de Oliveira
Repertório de Beatriz da Conceição

Lisboa mora ao pé da dona intriga
Por isso adora até só dizer mal
Quando a calúnia sai pla rua fora
Logo Lisboa vai ao tribunal

O meu postigo dá mesmo pra rua lá
Onde as vizinhas sabem tudo o que se diz
Costume antigo tem e quando a lua vem
Olhar telhados e meter lá o nariz

Sem mais aquela, de janela pra janela
Está Lisboa rtagarela a falar de mexericos
O Tejo passa, faz intrigas com a Graça
Diz, Alfama só tem raça na maré dos bailaricos
Coscuvilheira dos boatos, a leiteira
Que a Maria costureira já tem outro namorado
Gritam ardinas aldrabices p’las esquinas
Que as chinelas das varinas
Vão contar pra todo o lado

Lisboa um pátio é, dos maneirinhos
Desde Belém á Sé e ao Lumiar
Somos vizinhos, dá é zaragata
Mas a gaiata quer é falazar

Com a intriga vem, logo uma amiga aí tem
Intencionada que é de ouvir e de calar
Que por ser boa sai e por Lisboa vai
Língua afiada de rua em rua a ratar