- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Tu sabes, Maria

Letra e música de Diogo Lucena e Quadros
Repertório de António Pinto Basto


Nasceste co’as rosas bravias
Do chão do teu Ribatejo
Mas sabes bem que devias
Vir ver onde acaba o Tejo
Com teu vestido de chita
Nessa lezíria dourada
Quis Deus que fosses Maria
Maria só e mais nada

Tu sabes, Maria
Que é triste o olhar
D’alguém que queria
Outros braços para abraçar
Tu sabes, Maria
Que esse sentimento
Sai do meu peito de dia
E volta à noite com o vento


Teu cabelo esvoaçando
Quando agitado p’lo vento
São acenos provocando
A todos, o pensamento;
Essa beleza estremece
As ruas da tua terra
És a rainha que volta
Depois de ganhar a guerra