- - - - -

- - - - -
Clique na imagem e oiça Fado
- - -
Ninguém ignora tudo, ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa, todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre
PAULO FREIRE *filósofo* 19.09.1921 / 02.05.1997
- - - - -
As 5.585 letras publicadas referem a fonte de extração, o que nem sempre quer dizer que os artistas mencionados sejam os seus criadores.
- - - - -
Use o motor de busca *barra de links* para pesquisa rápida e fácil.

Cantigas ás serranas

Baltazar Estaço / Custódio Castelo
Repertório de Cristina Branco

Donde vem Rodrigo, donde vem Gonçalo
De sachar o milho, de mondar o prado
Seja diligente quem amor semeia
Que quem não granjeia não colhe semente

Semeou Rodrigo, semeou Gonçalo
Haverão do milho se mondam o prato;
Quem de amor se perde no tempo de verde
Não colhe o que perde entre erva que cresce

Por isso Rodrigo, por isso Gonçalo
Vão sachar o milho, vão mondar o prado
Amor que aproveita, se antes de gradar
Cresce em seu lugar, ciúme e suspeita

Triste de Rodrigo, triste de Gonçalo
Mal por seu cuidado
Se não sacha o milho, se não monda o prado

Amor que ficou em terra deserta
Colhe quem acerta, não quem semeou
Sememeou Rodrigo, semeou Gonçalo
Para haverem milho, cumpre haver cuidado

Em terra mimosa ninguém faça escolha
Vai-se o grão na folha de muito viçosa
Gonçalo e Rodrigo, cumpre ser lembrado
De sachar o milho, de mondar o prado