- - - - - - - - - -

- - - - - - - - - -
- - - - - - - - - -

° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.170 LETRAS PUBLICADAS // 1.930.000 VISITAS // OUTUBRO 2020

Atingido este valor // Que me faz sentir honrado // Continuo, com amor // A ser servidor do fado.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que nao constam do índice.

Caso encontre alguma avise-me, por favor.

Se não encontra o Fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

História do fado

Avelino de Sousa / Alves Coelho 
Repertório de Hermína Silva 

O Fado é uma trova tão bizarra
Como é brilhante a chama dum fanal
É bem na catedral duma guitarra
Divino padre nosso em Portugal

Trova nascida não sei de que autor
Canta a saudade a soluçar de dor sentida
Fosse quem fosse o seu inventor
Vem desde o alcouce a dar mais brilho e luz à vida

Apaixona os poetas e os artistas
E tem na terra luz, um tal poder
Que os fidalgos desceram a fadistas
P'rá ouvirem de perto e aprender

E assim carpindo as mágoas fatais
Lá foi subindo aos salões onde há grandeza
Já foi cantado nos Paços reais
E assim o Fado vem a ter também nobreza

Vive a brincar nos lábios das donzelas
O Fado que se canta em Portugal
Soluçou a sorrir nas caravelas
Acompanhando a trota nacional

Todo um passado de glória a fulgir
Canta-se o Fado com amor, com fé e esperança
Gemeu chorando Alcácer Kibir
Cantou vibrando lá nas trincheiras em França